VAMPIRA - Faca oficial do Instituto DEFESA - Pré-venda

VAMPIRA - Faca oficial do Instituto DEFESA - Pré-venda
VAMPIRA - Faca oficial do Instituto DEFESA - Pré-venda VAMPIRA - Faca oficial do Instituto DEFESA - Pré-venda VAMPIRA - Faca oficial do Instituto DEFESA - Pré-venda VAMPIRA - Faca oficial do Instituto DEFESA - Pré-venda
Modelo: FACA01
Disponibilidade: Em Estoque
Preço: R$700,00
Qtd:     - OU -   Lista de Desejos
Comparar

Ao desenvolver uma faca para ser "a faca" do Instituto DEFESA fomos absolutamete criteriosos.

Chamamos ninguém menos que Ricardo Vilar, conhecido como provavelmente o melhor cuteleiro do Brasil e um dos melhores do mundo (Confira o texto ao final). Trata-se da melhor opção da cutelaria para o porte velado no cotidiano:

A Vampira foi cuidadosamente pensada para ser uma arma letal, mas disfarçada como uma faca do dia-a-dia. Robusta, é capaz de encarar qualquer exigência da cutelaria. O tratamento térmico do metal é diferente na área do fio, se comparado com o dorso da lâmina. Isso confere mais dureza ao fio, mas impede que a faca fique quebradiça. Nenhuma faca industrial tem esta característica.

A geometria envolve uma ponta centralizada em relação ao cabo, o que assegura o melhor aproveitamento da energia em técnicas de estocada. O desbaste do metal leva a um fio "razor sharp", capaz de depilar. A guarda é anexada à própria lâmina, o que impede o acúmulo de sedimentos que poderiam deteriorar os metais e confere ainda mais resistência á peça, além de impedir que a mão do operador corra para o fio de corte, ao encontrar o osso do esterno ou fêmur do meliante, por exemplo.

Toda a peça é um bloco de aço, virtualmente impossível de ser destruído sem um esforço absolutamente desarrazoado. 

O thumb rest se adequa às técnicas de empunhadura ensinadas nas melhores escolas de arte marciais filipinas, ajudando a conferir precisão nos wi-tiks e guntings durante o combate. 

O skull crusher é discreto, desenhado para não prejudicar o conforto durante o porte, mas com material suficiente para quebrar vidros, para-brisas ou qualquer crânio do infeliz marginal que cruzar o caminho do seu portador.

O tamanho total da faca alia a portabilidade e a possibilidade de discrição, para uma reação letal ou para o silenciamento de sentinelas.

A bainha é de couro confortável ao toque, com um clipe metálico que permite o porte no cós da calça de forma discreta. É também ambidestra podendo ser utilizada na mão esquerda, para quem porta a pistola ao lado direito, ou vice-versa. 

É uma edição limitada e numerada, destinada a atender qualquer demanda dos usuários mais exigentes. 

 

Espeficicações:

- Aço 1070

- Têmpera seletiva

- Comprimento da lâmina: 10,8 cm

- Comprimento do fio: 8,9 cm

- Comprimento do cabo: 11,3 cm

- Comprimento total: 22,1 cm

- Espessura: 5mm

- Cabo de celeron

- Bainha de couro preta, com clipe tático, ambidestra

- Full tang

- Certificado de autenticidade

- Edição limitada e numerada

 

GARANTIA VITALÍCIA

- Total contra defeitos de fabricação e uso regular de faca (não cobre uso como alavanca, marreta ou fora do uso de corte).

- Dano ao material decorrente de uso irregular pode ser reformado (com custo) pela cutelaria

 

 

Condições (certifique-se de compreender e concordar antes de comprar):

Este produdo está em pré-venda. Sua faca ainda vai ser produzida após a compra. O prazo de entrega estimado é de 30 a 60 dias, podendo variar por fatores alheios ao vontade da cutelaria e do Instituto DEFESA.

O valor de R$700,00 inclui uma anuidade do Instituto DEFESA. O comprador deve entrar em contato via financeiro@defesa.org solicitando sua inclusão.

Membros que já são premium do Instituto DEFESA pagam R$600,00.

 

 

 

Sobre Ricardo Vilar:

Ricardo Vilar é autodidata, iniciou sua carreira em 1993, participando de todas as exposições nacionais daquela época, assinava suas peças com a marca PERCOR. Em 1996 foi matéria da revista MAGNUM.

Manteve suas atividades fazendo facas por desbaste até 2000, onde começou a forjar suas facas. Co-organizador do Seminário de cutelaria com o Norte-Americano Jerry Fisk,  realizado em sua própria oficina no ano de 2001. Passando a assinar suas facas como R.VILAR.

Desde então suas facas são feitas a partir de barras forjadas e sempre em aços carbono, podendo estes serem simples ou combinados, formando assim o aço damasco.

Desde 2003 expõe em duas feiras nos EUA, o Blade Show em Atlanta todo mês de  Junho e a exposição do Arkansas     todo mês de Fevereiro. No Brasil participa dos eventos mais importantes do circuito nacional.

Em 2005 submeteu-se a uma prova da importante associação norte-americana Americam Bladesmith Society, onde foi aprovado com êxito tornando-se o primeiro Journeymansmith da América do Sul. Colocando-se assim ao seleto grupo de aproximadamente 380 cuteleiros no mundo todo, o que lhe dá permissão para timbrar as iniciais “JS” abaixo de sua assinatura em suas criações.

Também em 2005, foi  convidado pela universidade do Texas como instrutor do Brazilian Style , no Hammer-in de outono.

Participante da primeira Exposição de espadas contemporâneas, realizada no museu de Macau- China 2006.

Presidente da Sociedade Brasileira dos Cuteleiros de 2003 à 2008.

 

Prêmios

 

Melhor Faca do São Paulo Knife Show do ano de 2006

Melhor Bowie  do show do Arkansas de 2007

Melhor faca de caça do Salão de Cutelaria de Nova Petrópolis –RS de 2008

Melhor Faca Bowie do Salão de cutelaria de Nova Petrópolis-RS   de 2009

 

Publicações onde é citado:

 

1996 Edição 50 revista Magnum. Brasil

2002 Edição 73 da revista La Passion dês Couteaux . França

2003 Edição de abril da revista Blade Magazine.EUA

2003 Edição de abril da revista Knives Illustrated.EUA

2003 Edição 03 da revista Lame  d’autore . Itália

2004 Edição 77 da revista La Passion dês Couteaux . França

2005 Edição de maio da revista Blade Magazine. EUA

2006 Edição fevereiro da revista knives Illustrated. EUA

2006 Edição Numero 96 da Revista Magnum . Brasil

2006 Livro Mestres do fogo Editado pelo Museu de Macau- China. Em Comemoração de sua exposição de Espadas contemporâneas.2006 Livro  Custon Knifemaking – Israel/Itália

2007 Edição Numero 4 da Revista Tiro Certo. Brasil.

2007 Edição Numero 01 da Revista Knife Show. Brasil

2008 participação no livro Oficio do Fogo-editora dialeto

2009 Consagrado Mestre na Corporação Italiana da Cutelaria

 

 

Sobre Lucas Silveira

Guro 2º grau de Kali Silat (Arte marcial filipino-malaia)

Instrutor de combate com facas há mais de 10 anos, ministrando cursos a militares das três forças e civis por todo o Brasil

Instrutor-chefe da Academia Brasileira de Armas

Presidente do Instituto DEFESA